COMO AVALIAR UM CANÁRIO

A reunião harmônica de todos os caracteres "ideais" em um mesmo canário é o que se poderia chamar de "sucesso absoluto". Porém, isto não é tão fácil. Deve-se, então aprender a observar bem o exemplar sob mira, comparando-o com o maior número para que se possa realmente selecionar um bom espécime.

Como nem sempre todos os detalhes são possíveis de se encontrar em uma mesma ave, é oportuno avaliar-se conjuntamente as qualidades do casal que se pretende formar. Pode-se, assim, obter em ambos, complementarmente, os aspectos desejados, cujo conjunto certamente se manifestará na prole, por inteiro. A partir daí trabalha-se em função do padrão que se pretenda alcançar.
Basicamente, tem-se como necessária, em um bom exemplar, as seguintes qualificações:

CABEÇA: deve ser arredondada, perfeitamente harmônica com o bico e o pescoço, os olhos bem centrais, devem ser redondos e transmitir vivacidade.
BICO: este deve Ter a cor do canário (claro ou escuro), ser curto e largo em sua base. No aspecto da cor, exceção se abre, apenas, para os marfins, ágatas, canelas, pastéis e isabelinos.
PESCOÇO: em forma de cilindro e curto, compondo em harmonia com o tórax e a cabeça.
PEITO: largo e arredondado, combinando com o resto do corpo.
DORSO: reto, em linha com o pescoço e a cauda.
ASAS: perfiladas e aderentes ao corpo, sem entrecruzamento e sem exagero na cobertura da base da cauda.
CAUDA: unida e em forma de "M", em linha reto com o dorso.
PATAS: ausência de escamas e sem exposição de músculos, na cor do pássaros (linha clara ou escura).
PLUMAGEM: sem falhas cromáticas, compacta, brilhante e sedosa, com pureza e intensidade de cor.
TAMANHO: entre 13 e 15 centímetros, medidos da base do bico ao final da cauda.
De resto, é recomendável saber-se algumas informações acerca da origem do pássaro e, se adulto, quanto ao seu desempenho como reprodutor, se já o foi.

Transcrito Boletim UCCC 1991

Nenhum comentário:

Postar um comentário